PUBLICAÇÕES

10 lições aprendidas com a implementação do COSO 2013

29 de Jul 2015

Em 2014, muitas empresas de capital aberto se empenharam para implementar o Internal Control – Integrated Framework da Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO) para a se adequar à Seção 404 da Lei Sarbanes-Oxley de 2002 (SOX). A Securities and Exchange Commission (SEC) dos Estados Unidos exige que as empresas utilizem um “modelo adequado” como uma base para a avaliação da eficácia dos controles internos sobre relatórios financeiros (ICFR – internal control over financial reporting), de acordo com a Seção 404. O Framework do COSO cumpre os critérios de adequação da SEC.

O COSO ressaltou que deixou de respaldar a versão original do Framework lançada em 1992 e considera que ela foi substituída pela versão atualizada do Framework, concluída em 2013, para os anos encerrados após 15 de dezembro de 2014. Desse modo, é só uma questão de tempo antes de todas as empresas passarem a adotar o Framework revisado para suas avaliações anuais do ICFR. Com base em documentos apresentados à SEC até o momento, a grande maioria dos emissores já realizou a transição da versão de 1992 à versão de 2013. Nesta edição, apresentamos as dez lições aprendidas com essas implementações provenientes de uma variedade de fontes – nosso trabalho com os clientes, informações coletadas de de participantes e levantamento anual de observância da Sarbanes-Oxley.

Clique aqui para acessar o arquivo na íntegra.

 

Você sabe qual a melhor maneira de fazer a gestão de vulnerabilidades em sua organização?

Conhece os impactos dos riscos de fraude e ciberataques?

Entre em contato com nossos especialistas